Quinta-feira, 10 de Junho de 2010

Função da vela de ignição

A função da vela de ignição é inflamar a mistura de ar/combustível dentro da câmara de combustão.

Para o conseguir, o sistema de ignição do veículo gera uma alta tensão (20.000 V – 30.000 V), que transpõe a distância entre o eléctrodo de massa e o eléctrodo central existentes na vela.

Não é a electricidade, mas sim o calor gerado pela faísca resultante que inflama a mistura de ar/combustível.

Desenvolve-se um pequeno núcleo de uma chama no local da faísca, que se expande.

Esta chama maior provoca a combustão da mistura de ar/combustível.

 

Se as velas de ignição não funcionarem devidamente:

• Será difícil ligar o motor.

• O motor não irá responder bem.

• A aceleração do veículo irá ficar afectada.

• O consumo de combustível será mais elevado.

• Haverá um aumento das emissões de escape nocivas.

• O motor poderá ficar danificado.

• O catalisador poderá ficar danificado.

• As velas necessitarão de ser substituídas rapidamente.

 

Critérios de performance:

 

Para um funcionamento optimizado das velas de ignição, é essencial que a faísca gere o maior calor possível e que o calor seja utilizado para inflamar a mistura de ar/combustível.

É, por isso, importante que o calor da faísca não seja absorvido pelos eléctrodos de massa ou central (o que se designa por “extinção”).

Se esta extinção for grave, o núcleo da chama pode apagar-se, fazendo com que a ignição falhe.

As velas de alta performance são concebidas para reduzir o efeito de extinção e para proporcionarem uma melhor performance de ignição.

Por outro lado, as velas precisam de ter a capacidade de dissipar rapidamente o calor gerado pela combustão e de o transferirem para a cabeça do motor.

A capacidade de uma vela de ignição dissipar o calor designa-se por índice térmico e é determinada em grande parte pelo comprimento da saliência de isolamento existente dentro da vela.

O índice térmico tem de ser correspondente a cada motor. Caso contrário, pode haver um enfraquecimento da faísca através da acumulação de resíduos de carbono (índice térmico demasiado baixo) ou de uma pré-ignição, que poderá derreter o eléctrodo e provocar problemas, tais como a gripagem do motor (índice térmico demasiado elevado).

 

Por natureza, as velas de ignição estão expostas a condições de funcionamento extremas:

•  Altas tensões.

•  Grande variação de altas temperaturas.

•   Produtos químicos corrosivos provenientes dos gases do combustível e da combustão.

•  Altas pressões explosivas.Estas condições podem ter um impacto muito negativo sobre o funcionamento normal de uma vela de ignição, a menos que a vela seja concebida e fabricada para suportar este tipo de forças destrutivas.

 

Vários tipos de velas:

 

Velas de Ignição Standard -  possuem um eléctrodo central com núcleo de cobre e ponta achatada. Estas velas têm uma vida útil de 40.000 a 45.000 km e podem ser instaladas em quase todos os veículos.

 

Velas de Ignição Platinum –  possuem uma fina película de platina ligada no ponto de ignição ao eléctrodo central e ao eléctrodo de massa. A platina é um metal precioso com um alto ponto de fusão que reduz significativamente o desgaste da vela de ignição, para proporcionar uma longa vida útil de 60.000 km.

 

Velas de Ignição Ranhuradas – possuem uma ranhura na ponta do eléctrodo central. Esta ranhura melhora o poder de inflamação, dirigindo a faísca para a periferia dos eléctrodos, para que o núcleo da chama se gere perto da extremidade dos eléctrodos. Assim, melhora- -se a dispersão da chama e o poder de inflamação.

 

Velas de Ignição Iridium – possuem um eléctrodo central com ponta de irídio. O irídio é um metal precioso com um ponto de fusão muito mais alto do que a platina e que possui melhor condutividade eléctrica. Isto permite que o eléctrodo seja muito mais fino, o que aumenta o poder de inflamação, originando melhor arranque, aceleração, e estabilidade ao ralenti, e uma maior economia de combustível. Apesar de serem mais caras do que as outras velas, as velas de ignição de irídio oferecem uma excelente relação qualidade/preço, pois possuem uma vida útil superior – 100.000 km .

 

publicado por adm às 20:23
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De neto castro a 26 de Setembro de 2012 às 15:58
muito bom aleás foi ótimo encontrei as respostas que precisava,,parabens a todos valeu galera,.ass neto castro!!

Comentar post

.pesquisar

 

.tags

. abs

. actualidade

. adblue

. admissão

. admissão variável

. air bag

. amortecedor

. ângulo morto

. aquecimento

. ar

. arrefecimento

. árvores de cames

. as cores mais populares do mundo

. automoveis

. binário

. binário do motor

. biodiesel

. bomba direcção

. caixa automatica

. caixa automática

. caixa dsg

. caixa embraaegm dupla

. calços

. câmbios automáticos

. cames

. carros

. carros a diesel

. carros electircos

. catalisadores

. catalizador

. caudalimetro

. circuito refrigeração

. city safety

. combustível

. concelhos

. correia

. curiosidades

. curve control

. da cabeça do motor

. dicas

. dicionário do motor

. diesel

. diferencial

. direcção

. direcção assistida electro-hidráulica

. direitos quando leva o carro à oficina

. discos

. dpf

. egr

. embraagem

. emissões

. esp

. fap

. farois

. filtro ar

. filtro de combustível

. filtro de partículas (fap/ dpf)

. filtro do óleo

. filtros de partículas

. flex

. ford

. formula zero

. gasolina vs diesel

. gestão

. helios concept

. ignição

. injecção

. líquido de travões

. lubrificantes

. luz

. maf

. medidor

. mitos

. mola

. mola suspensão

. motor

. motor hcci

. motor híbrido a ar

. motores

. nitrous

. nos

. noticias

. novidades

. oficina

. óleo de travões

. oleos

. pneus

. portugal

. potencia

. segurança

. sensor

. suspensão

. travões

. turbo

. turbos

. valvula

. valvulas

. velas

. velas de ignição

. vida

. todas as tags

.links

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Outubro 2016

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Abril 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

.subscrever feeds