Sexta-feira, 10 de Setembro de 2010

Turbo o que devo de saber quando o substituo?

Quando o azar bate a porta e temos que substituir o turbo do nosso carro, tenha em mente que existe determinados procedimentos a efectuar para garantir que o novo turbo não sofra dos mesmos males do turbo que acaba de retirar do carro.

O turbocompressor é desenhado e construído para suportar a vida útil do motor. No entanto, os componentes de alta tecnologia do sistema de exaustão de gases estão expostos a vários factores de risco que podem levar à sua falha: por exemplo, corpos estranhos que penetram na turbina, óleo sujo, uma falha no fornecimento do óleo ou temperaturas excessivamente altas na exaustão de gases. Isto torna os conhecimentos do mecânico um factor importante.

 

Importante: Analisar

Uma pré-condição para uma reparação de sucesso é que a falha seja identificada e eliminada – de outra forma há risco de o novo turbocompressor falhar novamente após um curto período.

Indispensável: Limpeza

Até os mais pequenos corpos estranhos actuam como um projéctil nas enormes altas velocidades da turbina e nas rodas do compressor. O filtro do ar tem de ser substituído em todos os casos. É importante a limpeza cuidada da admissão completa e do sistema de ar fresco, incluindo retirar todos os corpos estranhos do tubo de escape.

 

Um “must”: Lubrificação

O tirante do rolamento do rotor precisa de óleo do motor.

Dica: Derramar um pouco de óleo do motor no orifício do óleo antes de instalar o novo turbocompressor, colocar um pano limpo sobre ele - e distribuir o óleo pelos rolamento com uma pequena pressão de ar (ver ilustrações). Depois de instalar o turbocompressor e antes de ligar o fornecimento de óleo, derramar um pouco de óleo de motor no orifício do óleo. Uma pequena seringa com óleo de motor é incluída com o conjunto do turbocompressor MAHLE para facilitar este trabalho.

O que entra deve sair

O turbo compressor precisa de óleo de motor para a lubrificação e arrefecimento e este é fornecido pela bomba de óleo no motor. O óleo volta ao circuito por via do tubo de retorno do óleo. O tubo completo de retorno do óleo e a conecção ao cárter, deve ser feito sem obstruções e deve estar livre de depósitos para que o óleo seja transportado suavemente. Se o fluxo de retorno é perturbado, isto leva a bloqueios e o turbo compressor perde óleo pela turbina e rodas do compressor. Consequências eminentes incluem elevados danos do motor.

Dica: um novo tubo de retorno do óleo é um investimento tão importante como o de um “air cooler”

Outra dica: não deve haver pressão em excesso no cárter. Se o respiradouro do cárter estiver sujo uma pressão em excesso dificulta o regresso do fluxo de óleo no turbo compressor. O turbo compressor começa a perder óleo através da turbina e rodas do compressor assim que a pressão em excesso de apenas alguns milibares é medida no tubo com um manómetro. 

Tudo apertado?

Todas as conecções no turbo compressor têm de estar apertadas para que o óleo, o ar, a exaustão de gases e, dependendo do tipo, água fria, possam passar de forma limpa, segura e sem fugas. Todos os turbo compressores MAHLE têm um kit de montagem de correspondência - composto de vedantes, assim como peças que se encaixam na perfeição (por exemplo: parafusos , porcas, etc.) Importante: só utilizar juntas originais. E nunca reutilizar juntas velhas – estas muitas vezes estão deformadas ou porosas e portanto não podem garantir uma selagem perfeita. Compostos de selagem ou líquidos selantes são também proibidos no turbo compressor. Os compostos de selagem podem reduzir a passagem dos orifícios - e partes do composto de selagem podem ficar soltos e bloquear o fornecimento de óleo. A consequência: elevado dano no turbo compressor. 

Perda do escudo?

O fornecimento de óleo e linhas de retorno por vezes correm muito perto do turbo compressor. Os fabricantes de automóveis costumam proteger os tubos de óleo com escudos. Isto também deve ser verificado quando se substitui o turbo compressor: ainda estarão no sítio e não danificados?

Novo turbo compressor – Novo óleo

A um novo turbo compressor deve ser sempre dado um novo óleo – e um novo filtro de óleo. Isto assegura que qualquer corpo estranho no sistema de óleo seja eliminado para que não danifique o turbo compressor. (Afinal de contas, o velho turbo compressor falhou – o que pode estar relacionado com a infiltração de corpos estranhos ou partículas).

Dica: “Se pouco é bom, mais é melhor” não é verdade no que se refere ao nível do óleo! O nível de óleo no motor muito elevado leva a distúrbios no rácio de compressão no motor. Isto esforça o óleo do motor na turbina e compressor do turbo compressor. Se este óleo é sugado e é novamente queimado pelo motor pode levar a um elevado dano do motor.

Uma vez o turbo compressor montado, o óleo e possivelmente ligações de linhas de água, o ar e linhas de exaustão de gases ligadas ao turbo compressor, o óleo pode ser mudado e o sistema de refrigeração ventilado.

A ignição deve ser evitada quando o motor arranca – por exemplo removendo o fusível da bomba de combustível ou relé. Em seguida, ligue o motor com o motor de arranque até a pressão de óleo ser estabelecida. Se o motor for arrancar pela primeira vez recomendamos que deixe o motor ao ralenti durante 2 minutos antes de abrir o regulador de pressão, para assegurar o fornecimento de óleo.

Algo solto?

Depois deve verificar se todos os parafusos e conexões estão apertados e que não existem fugas.

Dica: verificar o perfeito encaixe de todos os parafusos novamente, após aproximadamente 20 horas ou 1.000 kms de funcionamento.

Corredor de longa distância

Todos os motores beneficiam de poderem trabalhar por um l período de tempo mais alargado. O turbo compressor do motor não se dá bem com viagens curtas porque após um arranque a frio o combustível não queimado e água condensada vão para o óleo do motor. 

Isto agrava as propriedades do óleo e reduz a capacidade de movimentação do filme de óleo. Estes componentes indesejados só desaparecem com temperaturas do óleo acima de 80 º C. Se a temperatura do óleo ficar abaixo desse valor por um longo período de tempo, como é o caso de viagens curtas, isto constitui um risco para o turbo compressor: os rolamentos da cambota e da árvore de cames e o eixo do rotor no turbo compressor desgastam-se. As baixas temperaturas a emulsão de óleo do motor e condensação de água no tubo de retorno de óleo do turbo compressor também pode congelar levando a taxas de compressão do motor erradas.

Biodiesel? Um maior risco para o óleo do motor e turbo compressor

O óleo vegetal não evapora - e o óleo vegetal não queimado vai para o óleo do motor. Depois de uma certa concentração torna-se viscoso e o sistema de lubrificação colapsa pouco depois. Isso significa intervalos entre mudanças de óleo muito mais curtos se os óleos vegetais são utilizados como combustível.

É bom saber e transmitir aos clientes

E por fim algumas dicas de especialistas que deve transmitir aos clientes com veículos com turbo compressores – porque condutores satisfeitos continuam a regressar à oficina.

Profilaxia do ralenti: deixe o motor funcionar ao ralenti durante 30 segundos antes de desligar o motor para assegurar o fornecimento de óleo ao turbocompressor – e 30 segundos de ralenti depois de uma viagem rápida na autoestrada arrefece o turbo compressor.

Compensação das viagens curtas: Os condutores cujas viagens são essencialmente curtas devem realizar uma viagem mais longa pelo menos uma vez por semana para dar ao motor a oportunidade de se regenerar.

Optimização do aquecimento: Para ajudar o motor a alcançar as temperaturas de funcionamento mais rapidamente no Inverno, deve esperar 3 minutos antes de ligar o sistema de chaufagem – e depois até aquecerá mais rapidamente.
fonte:autoaftermarketnews

publicado por adm às 22:50
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.tags

. abs

. actualidade

. adblue

. admissão

. admissão variável

. air bag

. amortecedor

. ângulo morto

. aquecimento

. ar

. arrefecimento

. árvores de cames

. as cores mais populares do mundo

. automoveis

. binário

. binário do motor

. biodiesel

. bomba direcção

. caixa automatica

. caixa automática

. caixa dsg

. caixa embraaegm dupla

. calços

. câmbios automáticos

. cames

. carros

. carros a diesel

. carros electircos

. catalisadores

. catalizador

. caudalimetro

. circuito refrigeração

. city safety

. combustível

. concelhos

. correia

. curiosidades

. curve control

. da cabeça do motor

. dicas

. dicionário do motor

. diesel

. diferencial

. direcção

. direcção assistida electro-hidráulica

. direitos quando leva o carro à oficina

. discos

. dpf

. egr

. embraagem

. emissões

. esp

. fap

. farois

. filtro ar

. filtro de combustível

. filtro de partículas (fap/ dpf)

. filtro do óleo

. filtros de partículas

. flex

. ford

. formula zero

. gasolina vs diesel

. gestão

. helios concept

. ignição

. injecção

. líquido de travões

. lubrificantes

. luz

. maf

. medidor

. mitos

. mola

. mola suspensão

. motor

. motor hcci

. motor híbrido a ar

. motores

. nitrous

. nos

. noticias

. novidades

. oficina

. óleo de travões

. oleos

. pneus

. portugal

. potencia

. segurança

. sensor

. suspensão

. travões

. turbo

. turbos

. valvula

. valvulas

. velas

. velas de ignição

. vida

. todas as tags

.links

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Outubro 2016

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Abril 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

.subscrever feeds