Terça-feira, 6 de Abril de 2010

Principais tipos de suspensão

1. 4. Principais tipos de suspensão

De uma maneira geral, os sistemas de suspensão podem ser classificados em dois subgrupos – dependentes e independentes. Estes termos referem-se à capacidade de movimento independente de rodas opostas.

1.4.1 Eixo rígido versus eixo independente

No sistema dependente, também chamado de eixo rígido, as rodas do mesmo eixo encontram-se ligadas por uma barra maciça. Nesta configuração, quando o ângulo de uma roda se altera, o ângulo da roda oposta sofre igual alteração, mas no sentido oposto.

Na configuração do eixo independente, as rodas encontram-se ligadas ao chassis por um sistema articulado que permite que cada roda suba e desça independentemente, sem afectar a roda oposta. Este facto permite maior estabilidade, e melhor aderência à estrada e conforto de condução.

1.4.2 Dependendo do funcionamento da suspensão

Vamos agora esclarecer as principais características de cada um destes sistemas.

1. Suspensão passiva

Podemos incluir sob esta designação todos os sistemas de suspensão convencionais ou tradicionais. A principal característica destes sistemas é que, uma vez instalados no automóvel, os parâmetros desta suspensão (rigidez, altura) não podem ser controlados externamente. Todas as molas e amortecedores tradicionais são considerados suspensões passivas.

Suspensões reactivas

Todas as suspensões correntes são também reactivas. Quando a roda de um veículo passa sobre uma elevação ou depressão do piso, a alteração na posição da roda faz com que a suspensão se comprima ou distenda em resposta. Do mesmo modo, virar, travar e acelerar fazem com que a suspensão se mova, deixando que o chassis vire ou desça. Podemos incluir neste grupo todos os sistemas de suspensão capazes de controlar a altura de condução de acordo com as alterações do peso e da carga aerodinâmica.

Os sistema é também capaz de reagir a uma carga interna, compensando-a. Um exemplo de um sistema de suspensão reactiva é o sistema Kinetic RSF da Tenneco. O sistema possui uma interligação passiva, que facilita a distribuição da carga entre as rodas e dissocia muitos parâmetros e modos de projecto e de operação, tais como a articulação do eixo transversal e a rigidez de uma roda, do controlo de viragem.

2. Suspensão semi-activa

A principal característica da suspensão semi-activa é o facto de este sistema poder alterar continuamente o coeficiente de amortecimento, tornando os amortecedores mais rígidos ou brandos dependendo das condições do piso. Este controlo consegue-se associando uma unidade electrónica de controlo a quatro amortecedores que possuem um coeficiente de amortecimento de variação contínua (e controlável). Por vezes, além das molas helicoidais normais, estes amortecedores podem ser associados a diversas soluções de auto-nivelamento, assim como a sistemas como as suspensões hidropneumáticas, hidro-elásticas e hidro-gás.

As principais vantagens da suspensão semi-activa são:

A) Uma condução ajustável, optimizada em termos de controlo e de manobra
B) A possibilidade de seleccionar a rigidez da suspensão
C) A suspensão adapta-se automaticamente segundo as condições da estrada
D) Dimensão idêntica à dos sistemas de suspensão tradicionais

3. Suspensão activa

O sistema de suspensão activa tem a capacidade de se ajustar continuamente às alterações das condições da estrada. O sistema alarga os parâmetros de projecto monitorizando e ajustando-se constantemente, alterando assim o seu carácter de forma contínua. Os sistemas de suspensão activa possuem um computador que transmite a um poderoso actuador em cada roda exactamente quando, como, em que distância e com que velocidade se deve mover. Os movimentos da roda deixam de estar sujeitos às interacções aleatórias entre a estrada e as diversas molas, amortecedores, e dispositivos à prova de viragem.

O computador que toma estas decisões recorre a uma rede de sensores para medir, por exemplo, a velocidade do veículo, acelerações longitudinais e laterais, e forças e acelerações presentes em cada roda. O computador ordena então à roda que se mova de modo ideal para as circunstâncias existentes.

Fonte:http://www.autoaftermarketnews.com

publicado por adm às 22:30
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.tags

. abs

. actualidade

. adblue

. admissão

. admissão variável

. air bag

. amortecedor

. ângulo morto

. aquecimento

. ar

. arrefecimento

. árvores de cames

. as cores mais populares do mundo

. automoveis

. binário

. binário do motor

. biodiesel

. bomba direcção

. cabos de bateria

. caixa automatica

. caixa automática

. caixa dsg

. caixa embraaegm dupla

. calços

. câmbios automáticos

. cames

. carros

. carros a diesel

. carros electircos

. catalisadores

. catalizador

. caudalimetro

. circuito refrigeração

. city safety

. combustível

. concelhos

. correia

. curiosidades

. curve control

. da cabeça do motor

. dicas

. dicionário do motor

. diesel

. diferencial

. direcção

. direcção assistida electro-hidráulica

. direitos quando leva o carro à oficina

. discos

. dpf

. egr

. embraagem

. emissões

. esp

. fap

. farois

. filtro ar

. filtro de combustível

. filtro de partículas (fap/ dpf)

. filtro do óleo

. filtros de partículas

. flex

. ford

. formula zero

. gasolina vs diesel

. gestão

. helios concept

. hidrogénio

. ignição

. injecção

. líquido de travões

. lubrificantes

. luz

. maf

. medidor

. mitos

. mola

. mola suspensão

. motor

. motor hcci

. motor híbrido a ar

. motores

. nitrous

. noticias

. novidades

. oleos

. pneus

. portugal

. potencia

. segurança

. sensor

. start/stop

. suspensão

. travões

. turbo

. turbos

. valvula

. valvulas

. velas

. velas de ignição

. vida

. todas as tags

.links

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Outubro 2016

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Abril 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

.subscrever feeds