Sexta-feira, 18 de Março de 2011

Líquido / Óleo de Travões – Perguntas & Respostas

Perguntas & Respostas (FAQ), de extrema utilidade para se acabar de uma vez por todas com os mitos e dúvidas sobre este “componente” de extrema importância para a segurança rodoviária.

 

A AZ Service elaborou um documento sobre Líquido de Travões – Perguntas & Respostas (FAQ), de extrema utilidade para se acabar de uma vez por todas com os mitos e dúvidas sobre este “componente” de extrema importância para a segurança dos veículos.

O que é o óleo de travões?

Óleo de travões não existe, existe sim líquido de travões. O líquido de travões é uma mistura química complexa que não contém algum tipo de substâncias minerais ou derivados petrolíferos.

Devo substituir o líquido de travões?
Sim, o líquido de travões ao longo do tempo vai-se degradando e é necessário a sua substituição. A sua substituição já faz parte de maior parte dos planos de manutenção dos construtores automóveis, sendo o período máximo até à substituição de dois anos.

Porque se degrada o líquido de travões?
O líquido de travões é altamente higroscópico e absorve humidade (moléculas de água) ao mínimo contacto com o meio ambiente. Mesmo pelos poros mais microscópicos dos vedantes e outros componentes do sistema de travagem as moléculas de água são atraídas pelo líquido de travões. O sistema de travagem aquece muito durante o seu funcionamento (entre 150 a 180ºC), quanto mais água tiver o líquido de travões menor será a sua temperatura de ebulição. Portanto um veículo com o líquido de travões bastante degradado corre o sério risco de criar vapor de água (água ferve a 100ºC) no sistema de travagem e perder praticamente toda a força de travagem.

Então porque raramente se vê o líquido de travões a ser substituído nas oficinas?
A substituição do líquido de travões pelo método tradicional implica a ocupação de dois técnicos, o que é altamente improdutivo, e muitas vezes correm-se sérios riscos de danificar alguns componentes do sistema de travagem durante a operação. Por isso as oficinas evitam este trabalho e apenas o realizam quando é efectuada uma reparação mais profunda do sistema e não têm outra opção.

Porque devo eu arriscar então?
Se utilizar o equipamento correcto não corre risco nenhum, até pelo contrário, está a concretizar uma oportunidade de negócio adicional e a garantir a segurança e satisfação dos seus clientes. Segundo os últimos estudos mais de 70% dos veículos que circulam no mercado contêm líquido de travões degradado, isto proporciona-lhe uma enorme vantagem em encontrar veículos que visitem a sua oficina que necessitem de uma substituição de líquido de travões. O valor dos equipamentos necessários para apenas um técnico efectuar uma análise e substituição segura e fiável do líquido de travões ronda os 1.000 euros. Este valor é facilmente amortizado com aproximadamente 40 substituições de líquido de travões, sem falar na poupança em mão-de-obra disponível.

Qual o líquido de travões que eu devo utilizar?
O que é recomendado pelo construtor do veículo. Existem três grandes grupos de tipos de líquido de travões: DOT 3, DOT 4, DOT 5. Apenas os DOT 3 e DOT 4 são utilizados em veículos de passageiros e comerciais, o DOT 5 é aplicado apenas em veículos industriais e militares. DOT 3 foi a primeira especificação a existir de líquido de travões e não é miscível com DOT 4, portanto nunca aplicar DOT 3 num veículo que utilize DOT 4! Pode ser possível aplicar DOT 4 num veículo antigo que utilize DOT 3 mas mesmo assim o mais recomendável é seguir as indicações do construtor. Existem também várias sub-classes de DOT 4 que foram aparecendo à medida que as exigências do mercado também foram crescendo. Além do DOT 4 original, temos DOT 4 com pontos de ebulição superiores aos padrões da indústria (comercialmente conhecidos como DOT 5.1) e DOT 4 Classe 6 cuja principal diferença é terem metade da viscosidade habitual. O DOT 4 Classe 6 aplica-se perfeitamente a veículos com sistemas electrónicos de travagem e estabilidade mas pode ser utilizado em qualquer veículo que utilize DOT 4.Atenção que muitos veículos hoje em dia saiem de fábrica já com enchimento DOT 4 Classe 6. Uma das características mais importantes do líquido de travões é o seu ponto de ebulição húmido (a que temperatura ferve quando contém 3% de água), só através desse valor é que é possível comparar o desempenho de um líquido de travão com outro.

Autor: Pedro Rosa

fonte:autoaftermarketnews

publicado por adm às 20:44
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.tags

. abs

. actualidade

. adblue

. admissão

. admissão variável

. air bag

. amortecedor

. ângulo morto

. aquecimento

. ar

. arrefecimento

. árvores de cames

. as cores mais populares do mundo

. automoveis

. binário

. binário do motor

. biodiesel

. bomba direcção

. caixa automatica

. caixa automática

. caixa dsg

. caixa embraaegm dupla

. calços

. câmbios automáticos

. cames

. carros

. carros a diesel

. carros electircos

. catalisadores

. catalizador

. caudalimetro

. circuito refrigeração

. city safety

. combustível

. concelhos

. correia

. curiosidades

. curve control

. da cabeça do motor

. dicas

. dicionário do motor

. diesel

. diferencial

. direcção

. direcção assistida electro-hidráulica

. direitos quando leva o carro à oficina

. discos

. dpf

. egr

. embraagem

. emissões

. esp

. fap

. farois

. filtro ar

. filtro de combustível

. filtro de partículas (fap/ dpf)

. filtro do óleo

. filtros de partículas

. flex

. ford

. formula zero

. gasolina vs diesel

. gestão

. helios concept

. ignição

. injecção

. líquido de travões

. lubrificantes

. luz

. maf

. medidor

. mitos

. mola

. mola suspensão

. motor

. motor hcci

. motor híbrido a ar

. motores

. nitrous

. nos

. noticias

. novidades

. oficina

. óleo de travões

. oleos

. pneus

. portugal

. potencia

. segurança

. sensor

. suspensão

. travões

. turbo

. turbos

. valvula

. valvulas

. velas

. velas de ignição

. vida

. todas as tags

.links

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Outubro 2016

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Abril 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

.subscrever feeds