Sexta-feira, 4 de Junho de 2010

Inspecção visual dos amortecedores

Existem alguns sinais visíveis que indicam um amortecedor deficiente.

Estado do pneu: Um desgaste irregular poderá ser característico de um amortecedor gasto.

Fuga de óleo: A perda de óleo do amortecedor resulta num “mau funcionamento” e, como tal, na perda de amortecimento. Corrosão do prato da mola do amortecedor: Este problema fará com que o prato da mola acabe por se partir.

Corrosão da haste do pistão: Este problema produz uma rápida deterioração dos vedantes, o que causará a perda de óleo.

Casquilhos de suporte: Um casquilho de suporte rachado ou anormalmente deformado pode causar ruído na suspensão durante a aceleração, travagem ou passagem sobre obstáculos.

Suportes: Se estiverem partidos ou enfraquecidos, por desgaste do metal ou por corrosão, existe perigo de fractura.

fonte:www.autoaftermarketnews.com

publicado por adm às 11:57
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 22 de Maio de 2010

EFEITOS DOS AMORTECEDORES GASTOS NA SEGURANÇA

 

 

1. EFEITOS DOS AMORTECEDORES GASTOS NA SEGURANÇA

Sabendo que em condições normais um amortecedor pode comprimir-se e distender-se entre 5000 a 7000 vezes por quilómetro, é fácil calcular que, passados 100 000 quilómetros, os nossos amortecedores tenham efectuado entre 500 e 700 milhões de ciclos.



Depois de um tal número de ciclos, os componentes mecânicos dos amortecedores, bem como o óleo, estão gastos e precisam de ser substituídos para manter o desempenho adequado da unidade. Uma consequência directa de um amortecedor gasto é a perda de aderência à estrada, o que provoca uma série de efeitos directos que colocam o veículo em risco.
1.1. Distância de travagem

• Quanto maior o desgaste dos seus amortecedores, maior será a distância de travagem do automóvel. A 45 km/h, os amortecedores gastos acrescentam 2 metros à distância de travagem.

• Em veículos equipados com sistema ABS/ESP, a distância será ainda maior. (Exemplo: num Ford Fiesta com alguma velocidade, a distância aumenta até 5,8 metros). Isto pode fazer a diferença entre uma paragem de segurança e um acidente.

1.2. Ajustamento dos faróis

Se, à noite, os amortecedores fizerem com que o seu automóvel ressalte para cima e para baixo, este efeito provoca o encandeamento dos condutores dos veículos que viajam em sentido oposto e também dificulta a sua visão.

1.3. Aderência à estrada

• A área média de contacto com a estrada é de 0,1m2 por veículo, o equivalente à superfície de quatro postais. Se o amortecedor estiver gasto, esta superfície de contacto será reduzida dramaticamente. Isto aumenta exponencialmente o risco de acidente.

• Quando o veículo é sujeito a um vento lateral, essa força fará com que o veículo se torne instável, perdendo a capacidade de manobra.

• A velocidade máxima de segurança numa curva em superfície seca num veículo com amortecedores 50% gastos será reduzida 10%. (Fonte: TÜV tests)

1.4. Aquaplaning

• Uma roda dianteira com amortecedores 50% gastos, em condução com velocidade constante sobre uma película de 6 mm de água, começará a derrapar a uma velocidade 10% inferior à de um veículo igual com amortecedores novos.

• Com amortecedores novos, o veículo entrou em aquaplaning a 125 km/h.

1.5. Tempo de reacção

• Em condições normais, os amortecedores deficientes aumentam o cansaço do condutor.

• O cansaço poderá aumentar o tempo de reacção em 26%.

1.6. Triângulo de segurança Pneus – Travões – Amortecedores

• Se um ou mais componentes gastos do triângulo estiverem gastos, os outros serão afectados negativamente.

• Se os amortecedores estiverem deficientes, os pneus não estabelecerão o contacto correcto com a estrada, ou seja, os travões serão menos eficazes e será mais difícil controlar o veículo.

• Os amortecedores são tão importantes como os travões para a sua segurança pessoal – e para a segurança de terceiros.
fonte:www.autoaftermarketnews.com
publicado por adm às 15:34
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.tags

. abs

. actualidade

. adblue

. admissão

. admissão variável

. air bag

. amortecedor

. ângulo morto

. aquecimento

. ar

. arrefecimento

. árvores de cames

. as cores mais populares do mundo

. automoveis

. binário

. binário do motor

. biodiesel

. bomba direcção

. caixa automatica

. caixa automática

. caixa dsg

. caixa embraaegm dupla

. calços

. câmbios automáticos

. cames

. carros

. carros a diesel

. carros electircos

. catalisadores

. catalizador

. caudalimetro

. circuito refrigeração

. city safety

. combustível

. concelhos

. correia

. curiosidades

. curve control

. da cabeça do motor

. dicas

. dicionário do motor

. diesel

. diferencial

. direcção

. direcção assistida electro-hidráulica

. direitos quando leva o carro à oficina

. discos

. dpf

. egr

. embraagem

. emissões

. esp

. fap

. farois

. filtro ar

. filtro de combustível

. filtro de partículas (fap/ dpf)

. filtro do óleo

. filtros de partículas

. flex

. ford

. formula zero

. gasolina vs diesel

. gestão

. helios concept

. ignição

. injecção

. líquido de travões

. lubrificantes

. luz

. maf

. medidor

. mitos

. mola

. mola suspensão

. motor

. motor hcci

. motor híbrido a ar

. motores

. nitrous

. nos

. noticias

. novidades

. oficina

. óleo de travões

. oleos

. pneus

. portugal

. potencia

. segurança

. sensor

. suspensão

. travões

. turbo

. turbos

. valvula

. valvulas

. velas

. velas de ignição

. vida

. todas as tags

.links

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Outubro 2016

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Abril 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

.subscrever feeds